terça-feira, 27 de setembro de 2016

Lições da natureza



Observai a natureza e descobrireis que ela está sempre a apresentar-nos métodos para resolvermos os nossos problemas. 
Por exemplo: como é que a ostra faz para fabricar uma pérola? Um grão de areia entrou na sua concha e tornou-se uma dificuldade para ela, irrita-a. «Ah, diz ela, como é que eu vou livrar-me deste grão de areia? Ele incomoda-me, arranha-me. O que hei de fazer?» A ostra põe-se a refletir, concentra-se… medita! Um dia, começa a segregar uma matéria especial com a qual envolve aquele grão de areia tão desagradável e ele torna-se liso, polido, aveludado. Quando o conseguiu, ela fica contente e diz para si própria: «Não só este grão já não me incomoda, como eu fiz dele uma pérola magnífica!»
É esta a lição da ostra perlífera: ela mostra-nos que, se conseguirmos, pelo pensamento, envolver os nossos aborrecimentos, as nossas contrariedades, com uma matéria luminosa, irisada, acumularemos grandes riquezas. O verdadeiro espiritualista sabe trabalhar sobre as suas dificuldades para fazer delas pérolas muito preciosas.
(Omraam Mikhaël Aïvanhov)

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Luz da semana



Conflitos acontecem por uma razão: há uma lição para ambas as partes aprenderem. 
Nós viemos a este mundo com um conjunto específico de traços de caráter reativos e autocentrados profundamente alojados em nosso interior e que se manifestam na superfície.
Incompatibilidades têm um propósito: apertar nossos botões de reatividade e revelar as características implantadas em nossa natureza que viemos a este mundo para modificar.
Sempre que identificamos um traço negativo, assumimos a responsabilidade por ele e dedicamos o esforço necessário para transformá-lo, nos conectamos com um mundo de luz e nossa vida se torna muito melhor.
(Yehuda Berg)

domingo, 25 de setembro de 2016

Pensamentos daqui e dali



Por que você liga tanto para coisas que não deveriam incomodar? Por que temos esse estranho jeito de querer resolver tudo?
As vezes até o que não é do nosso meio, nem da nossa capacidade.
Nos perdemos em discussões tolas, esforços em vão, suor a toa.
Para o nada…
Perdemos um tempão com coisas bobas, brigas tolas. Discutimos muito para saber quem tem razão.
Lógico que, querendo sempre ter a razão.
E assim, perdemos tempo precioso, perdemos amigos, amores, conhecidos.
Tudo porque queremos ter a razão, reafirmar que somos superiores.
O que realmente importa é fazer o que nos faz bem e que pode ser repartido, compartilhado, dividido com outros.
Não perca saúde, alegria, vida e amigos discutindo o vazio.
Melhor é ter emoção, coração do que razão.
A razão passa, se perde.
A emoção pode ser eterna.
(Paulo Roberto Gaefke)

Para aquecer o coração

sábado, 24 de setembro de 2016

Palavras



Se eu ficasse amarga com tudo o que acontece de negativo – não é meu jeito – contaminaria a casa onde moro, a família que me cerca, o companheiro que está comigo, os amigos e o mundo.
Porque sou importante? 
Nada disso. Porque cada um de nós é uma partícula mínima, parte do grande oceano em que somos lançados ao nascer: cada gota envenenada modifica o todo, por pouco que seja.
(Lya Luft)

Porque hoje é sábado



Não se pode dizer para a primavera: tomara que chegue logo e dure bastante.
Pode-se apenas dizer: venha, me abençoe com sua esperança e fique o máximo de tempo que puder.
(Paulo Coelho)

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

O longo caminho leva à alegria



A semente da plena consciência se encontra em cada um de nós, mas nos esquecemos de regá-la. Acreditamos que só seremos felizes no futuro, quando conseguirmos uma casa, um carro ou um doutorado. Mantemos uma luta em nossa mente e em nosso corpo e não sentimos a paz e a alegria que temos ao nosso alcance neste preciso instante: o céu azul, as folhas verdes e os olhos de nosso ser querido.
O que é mais importante? 
São muitas as pessoas que passam em provas e compram casas e carros, mas seguem sendo infelizes. 
O mais importante é encontrar a paz e dividi-la com os demais. E para encontrá-la, podemos começar a caminhar com calma. 
Tudo depende de teus passos.
(Thich Nhat Hanh)