quinta-feira, 17 de abril de 2014

Receba a todos




O ser humano é uma casa de hóspedes.
Toda manhã uma nova chegada.
A alegria, a depressão, a falta de sentido, como visitantes inesperados.
Receba e entretenha a todos, mesmo que seja uma multidão de dores que violentamente varre sua casa e tira seus móveis.
Ainda assim trate seus hóspedes honradamente.
Eles podem estar te limpando para um novo prazer.
O pensamento escuro, a vergonha, a malícia, encontre-os à porta rindo.
Agradeça a quem vem, porque cada um foi enviado como um guardião do além.

(Rumi)

terça-feira, 15 de abril de 2014

Conquista



Conquistar um coração de verdade dá trabalho,
requer paciência, é como se fosse tecer uma colcha de retalhos,
aplicar uma renda em um vestido, tratar de um jardim, cuidar de uma criança.
É necessário que seja com destreza, com vontade,
com encanto, carinho e sinceridade.
(Luiz Fernando Veríssimo)

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Luz da semana

Você não pode apenas sentar e esperar que o sucesso caia no seu colo; uma vez que o percurso for estabelecido e sua vontade for firme, você tem que fazer um esforço prático. Então verá que as coisas necessárias para o seu sucesso começarão a chegar. Tudo o empurrará na direção correta. Na sua divina sobrecarga, a força de vontade é a resposta para a prece. Quando você usa essa vontade, abre o caminho através do qual suas preces podem ser respondidas.

(Paramahansa Yogananda)

sábado, 12 de abril de 2014

Porque hoje é sábado



A arte da perda é fácil de estudar:
a perda, a tantas coisas, é latente
que perdê-las nem chega a ser azar.

Perde algo a cada dia. Deixa estar:
percam-se a chave, o tempo inutilmente.
A arte da perda é fácil de abarcar.

Perde-se mais e melhor. Nome ou lugar,
destino que talvez tinhas em mente
para a viagem. Nem isto é mesmo azar.

Perdi o relógio de mamãe. E um lar
dos três que tive, o (quase) mais recente.
A arte da perda é fácil de apurar.

Duas cidades lindas. Mais: um par
de rios, uns reinos meus, um continente.
Perdi-os, mas não foi um grande azar.

Mesmo perder-te (a voz jocosa, um ar
que eu amo), isso tampouco me desmente.
A arte da perda é fácil, apesar
de parecer (Anota!) um grande azar.

(Elizabeth Bishop)

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Quem somos?



Tu não tens tua própria face, tens, apenas, as opiniões de outros sobre ti.
Alguém diz que és belo e começas a pensar que és belo.
Alguém diz que és feio, tu te sentes magoado e trazes, como uma ferida, o fato de alguém ter dito “feio”– tu te tornaste feio.
Tu não passas de um amontoado de opiniões alheias, tu não sabes quem és.
Sabes apenas o que os outros pensam que és.
E isso é estranho, porque esses outros que pensam quem tu és não conhecem a eles próprios – conhecem-se através de ti.
Esse é um belo jogo: conheço-me através de ti, tu te conheces através de mim e ambos não sabemos quem somos.
 (Osho)

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Passo a passo


Viaja-se para se chegar a uma meta; caminha-se para estar-a-caminho.
A vida é um caminho em que, passo a passo, cada um segue a sua estrada.
Há caminhos errados, há desvios, há trechos áridos.
Há caminhos árduos e brandos.
E nós caminhamos e nos aproximamos uns dos outros.
Nesse sentido, caminhar é uma maneira de exercitar a fé, de encontrar a fé ao caminhar.
 (Anselm Grun)